Porto Alegre – O zagueiro Antonio Carlos, do Juventude, acusado de racismo no jogo do último domingo, contra o volante Jeovânio, do Grêmio, pelo campeonato gaúcho, foi suspenso preventivamente por 60 dias pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) do Rio Grande do Sul. A decisão, anunciada pelo presidente, Francisco Teixeira de Oliveira, tem caráter preventivo e é uma resposta à denúncia do procurador Alberto Lopes Franco.
O julgamento do mérito do caso está marcado para a semana que vem, e o jogador pode ser condenado até a 540 dias de suspensão do futebol. A ofensa por racismo, como o praticado pelo zagueiro, que esfregou ostensivamente o dedo na pele para indicar a cor de Jeovânio, não está prevista no Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), mas o jogador poderá ser enquadrado por injúria, com pena de até 120 dias.
Independente das providências no âmbito desportivo, o jogador pode ser condenado na Justiça comum a penas de até três anos de prisão pela prática do crime de racismo considerado imprescritível e inafiançável pela Constituição.

Da Redacao