S. Paulo – O nome do presidente da Comissão do Negro e Assuntos Anti-Discriminatórios da OAB/SP (CONAD), Marco Antonio Zito Alvarenga (foto), é o preferido do grupo de advogados negros para integrar a próxima diretoria, como parte do movimento que reivindica a ampliação da presença de afrodescendentes na OAB paulista.
O grupo, integrado pelo próprio Zito e pelo ex-secretário de Justiça de S. Paulo, Hédio Silva Jr., chegou a lançar Manifesto em defesa da re-reeleição do atual presidente Luiz Flávio Borges D’Urso, nas eleições marcadas para o dia 17 de novembro.
Atualmente, embora os advogados afrodescendentes correspondam a cerca de 10% dos 285 mil advogados paulistas, não há nenhum negro na diretoria da Ordem, que é composta por um presidente, um vice-presidente, um diretor adjunto e um diretor geral.
Maior presença negra
A sugestão do nome de Zito para integrar a chapa de D’Urso foi cogitada pelo próprio Hédio, em entrevista à Afropress, ao assumir que não será candidato a nenhum cargo, alegando que estará ocupado em outras atividades. Por ser o nome de maior projeção entre advogados negros, Hédio era visto como candidato natural.
“O doutor Marco Antonio Zito Alvarenga é um expoente da advocacia brasileira, conselheiro respeitado e realizou um trabalho corajoso e exemplar à frente da CONAD. Ele possui credenciais e experiência que o qualificam para assumir um cargo na diretoria ou outra função de destaque, tem o nosso apoio e inclusive é amigo do presidente D´Urso, a quem compete a prerrogativa de escolher os nomes para diretoria da OAB e da Caixa de Assistência dos Advogados”, afirmou.
Apoio incondicional
Hédio, contudo, não condiciona o apoio a D’Urso a inclusão de nomes na composição da próxima diretoria. O prazo para registro se esgota no próximo dia 16. Até o momento D’Urso não se manifestou a respeito da reivindicação da presença de um negro na chapa que liderará, nem revelou quais serão os nomes que a comporão.
Outras três chapas disputarão a direção da OAB paulista, lideradas, respectivamente, pelos advogados Rui Reale Fragoso, Raimundo Barbosa e Leandro Pinho.
“Meu apoio ao presidente D´Urso é incondicional porque baseia-se na folha de serviços que ele tem prestado à causa da igualdade racial e ao reconhecimento e valorização dos advogados e advogadas afro-brasileiras. Não tenho nenhuma dúvida de que o presidente D´Urso continuará prestigiando advogados e advogadas negros no Conselho, na Caasp, nas indicações para espaços de poder e prestígio, tal como fez em suas gestões anteriores”, acrescentou.
Hédio disse que não é candidato a nenhum cargo no Conselho Seccional da OAB. “No próximo ano terei que assumir tarefas que me impedirão de participar inclusive do Conselho. Nestes cinco anos fui Conselheiro, Presidente da Comissão de Direitos Humanos, representei a Ordem em bancas de concurso para Juiz, visitei dezenas de subseções do interior do estado e atualmente presido a Comissão de Liberdade Religiosa. A partir de 2010, entretanto, terei que me dedicar a outras atividades”, concluiu.

Da Redacao